pinnacle

Comércio de grãos da Argentina está "paralisado", de olho em ajuste cambial

Publicado em 23/11/2023 15:42

Logotipo Reuters

Por Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) - O comércio de grãos da Argentina está em grande parte "paralisado" pela falta de soja devido à seca e pelo fato de os agricultores estarem segurando a produção, antecipando uma desvalorização do peso durante o governo do presidente eleito Javier Milei, disse à Reuters o chefe da principal câmara de exportação.

Os comentários foram os primeiros do órgão de esmagamento e exportação CIARA-CEC, que representa as principais empresas de grãos na Argentina, incluindo a Cargill e a Bunge, desde a eleição do libertário Milei no domingo. Ele assume o cargo em 10 de dezembro.

A Argentina é normalmente o maior exportador mundial de soja processada e está entre os três maiores exportadores de milho. O país sul-americano também é um importante fornecedor de trigo e carne bovina.

"Hoje, o comércio de grãos está paralisado pela escassez de grãos, a pior em 60 anos, e pela expectativa, após a vitória de Milei, de que em breve haverá um ajuste na taxa de câmbio oficial", disse Gustavo Idigoras, diretor do CIARA-CEC, na quarta-feira.

A Argentina, que luta contra uma inflação de três dígitos e uma moeda em queda, tem controles rígidos de capital que levaram a taxas de câmbio paralelas de até 1.000 pesos por dólar, muito distantes da taxa oficial de pouco mais de 350 pesos.

Embora o governo tenha implementado mecanismos que favorecem o câmbio para os agricultores, oferecendo-lhes uma taxa melhor, muitos produtores estão esperando para ver o que Milei fará quando assumir o cargo. Ele se comprometeu a eliminar os controles cambiais e cortar impostos.

Idigoras disse que a falta de grãos para as enormes usinas de esmagamento que transformam a soja em óleo e farelo ao longo do rio Paraná significava que as instalações estavam operando com capacidade bastante reduzida.

"Hoje estamos com 73% de capacidade ociosa média nas usinas de esmagamento e 75% de capacidade ociosa nos portos de grãos", disse ele. "Estamos atravessando o pior ano e o pior trimestre da história."

Ele acrescentou que as plantas de esmagamento estavam antecipando paradas para manutenção técnica devido à "impossibilidade" de continuar operando.

"A maioria delas já está ativando essas paradas técnicas em muitas linhas de produção. Haverá muito poucas linhas de produção ativas nos próximos meses", disse ele.

Idigoras pediu ao governo de Milei que eliminasse rapidamente as restrições comerciais aos grãos, incluindo impostos e acesso à moeda estrangeira, e que suspendesse os limites de exportação e a burocracia para licenças de importação.

"O governo de Milei deve ser o governo que tem o maior foco de exportação da história, uma política de exportação agressiva. Para isso, ele deve primeiro eliminar todas as restrições no primeiro dia."

(Reportagem de Maximilian Heath)

Já segue nosso Canal oficial no WhatsApp? Clique Aqui para receber em primeira mão as principais notícias do agronegócio
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário

    pinnacle Mapa do site