pinnacle

HOMEVÍDEOSNOTÍCIASMETEOROLOGIAFOTOS

Manejo adequado contra cigarrinhas pode ser a diferença entre produtividade de 20 sc/ha e de 180 sc/ha

Publicado em 12/07/2022 09:59
Carlos Konig - Gerente Técnico C.Vale
Gerente técnico da C.Vale destaca que condições climáticas no Paraná foram ideais para a safrinha de milho, mas deficiências no manejo permitiram grandes perdas para cigarrinhas e enfezamentos

Podcast

Manejo adequado contra cigarrinhas pode ser a diferença entre produtividade de 20 sc/ha e de 180 sc/ha

Logotipo pinnacle

As colheitas da segunda safra de milho seguem avançando no Paraná e as produtividades atingidas estão variando com uma amplitude muito grande, indo de 20 sacas por hectare para até 180 sacas por hectare. 

Com condições climáticas ideais para o desenvolvimento das lavouras em 2022, o que tem alterado os rendimentos do milho no estado é o intenso ataque de cigarrinhas e a presença de enfezamentos nas plantas. Na análise do diretor técnico da C.Vale, Carlos Konig, o que está definindo a produtividade em 20 ou 180 sc/ha é o manejo adotado contra a cigarrinha. 

lavouras milho com enfezamento cigarrinha palotina parana cvale (4)
l

“Aquele produtor que plantou um híbrido suscetível, sem tolerância ao complexo de enfezamento, e não fez o manejo adequado está colhendo em torno de 20 25 sacas por hectare. Aquele produtor que fez um bom manejo, que plantou um híbrido tolerante, fez tratamento de sementes, toda a bateria de aplicações mais o fungicida, tem colhido 140 até 180 sacas por hectare”, afirma. 

Dentre esses manejos adequados, o diretor destaca o controle do milho tiguera na beira das estradas e em meio as lavouras de soja, escolha de híbridos mais tolerantes, tratamento de sementes, aplicação de defensivos químicos e biológicos e plantio mais concentrado. 

lavouras milho com enfezamento cigarrinha palotina parana cvale (2)

Konig ressalta que o plantio alongado em 2022, indo de 5 de janeiro à 20 de março contribuiu para o aumento da pressão da cigarrinha. Além disso, ele pontua que, em anos anteriores, essa situação era mascarada por perdas pela seca e geadas, e acabaram sendo mais destacadas diante do clima bom de 2022. 

Confira a íntegra da entrevista com o diretor técnico da C.Vale no vídeo. 

lavouras milho com enfezamento cigarrinha palotina parana cvale (6)
Já segue nosso Canal oficial no WhatsApp? Clique Aqui para receber em primeira mão as principais notícias do agronegócio
Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
pinnacle

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • nilo otavio baquetaMamborê - PR

    Simples aqui não plantamos mais milho , semente a 1200 o saquinho, adubo a 6,7 mil , cigarrinha no mínimo 6, 7 x e não é qualquer inseticida, fungicida , colheita , herbecida ..... Isso sem conta o operacional milho a 75, 80o saco ...

    2
    • CESAR AUGUSTO SCHMITTMaringá - PR

      Não digo que não vou plantar mais. Porém com certeza vou diminuir a área e diminuir a tecnologia de adubação e plantar híbridos triplos, fugindo do alto custo dos híbridos simples e selecionando os mais tolerantes a cigarrinha. Enfim, vou plantar milho pé duro. Quem sabe consiga perder uns 20 a 30% de produtividade, mas reduzindo o custo em pelo menos 50%

      0
    • Virgilio Andrade MoreiraGuaira - PR

      Uma saída lógica. Reduzir custos.

      0
    • Hilario BussolaroCascavel - PR

      Sr César, isso não e uma.saida.logica mas sim uma.saida valoroza e por que isso se.vc produzir um pouco menos e cuidar do solo e todos seguirem esse exemplo e simples a lei da oferta e procura então com menos oferta tende o preço aumentar e a margem melhora,hoje tentamos girar pra sobrar mas nem sempre o giro trás bons frutos, estamos sempre além do risco desequilibrando o ambiente, olhem aí a tal da cigarrinha hoje chega a impactar de 20 a 180 sacas de perda, será que vale o risco, então diminuindo a oferta o preço sobe então o porquê correr tanto riscos

      1
    • carlo melonisao paulo - SP

      Todos os colegas que comentaram, acho eu, estão no caminho certo--empatar o mínimo custo na lavoura porque em caso de veranico você arrisca menos

      0
    • Hilario BussolaroCascavel - PR

      Sr Carlos, sem dúvida eu que sou arrendatário já vejo que se tiver uma safra boa de verão e fazer alguma cobertura como milheto ou outras que possam pagar os custos básicos, acredito que vou diminuir os riscos de perdas e arrumar cada vez mais o solo, e a lei da oferta e procura e a mais certa, quando eles olharem a falta de grãos disponível a procura vai ser muito grande e com isso a valorização financeira tbm aumenta, então se os proprietarios fizerem o mesmo aí sim a mudança vai ser grande

      1
    • Leodir Vicente SbaraineTerra Roxa - PR

      Concordo plenamente com todos os Colegas com respeito a baixar os custos e diminuir a ferta , não compensa ariscar muito pra sobrar pouco..., Quanto menos oferta melhor o Mercado Paga, bem isso, tá na hora de Acordarmos !!

      1
pinnacle Mapa do site