pinnacle

Açúcar recua mais de 3% na Bolsa de Nova York nesta 5ª feira seguindo baixas do petróleo

Publicado em 30/11/2023 16:23
Lívea Coda - Analista de Açúcar e Etanol da Hedge Point Global Markets
Reunião da Opep+ no dia trouxe importantes decisões relacionadas ao complexo energético, o que pesou para o adoçante nas bolsas externas, já que não há forte sustentação nos fundamentos neste momento
Podcast

Açúcar recua mais de 3% na Bolsa de Nova York nesta 5ª feira seguindo baixas do petróleo

Logotipo pinnacle 

Os contratos futuros do açúcar encerraram a sessão desta quinta-feira (30) com perdas expressivas nas bolsas de Nova York e Londres. O principal fator de pressão veio das quedas do petróleo no dia depois da reunião de definição de produção da Opep+.

O vencimento mais negociado do açúcar bruto na Bolsa de Nova York teve desvalorização de 3,05%, a 26,04 cents/lb, com máxima em 26,85 cents/lb e mínima de 25,90 cents/lb. Em Londres, o primeiro contrato teve queda de 2,40%, negociado a US$ 717,10 a tonelada.

"A gente teve algumas decisões importantes relacionadas ao complexo energético, inclusive o Brasil entrando para o grupo. Tudo isso levou a essa redução de preço do açúcar, que já não tem uma sustentação forte em termos de fundamentos", explica Lívea Coda, analista da Hedge Point Global Markets.

O petróleo registrou queda de cerca de 2,50% nas bolsas internacionais no dia depois da reunião da Opep+. As oscilações do óleo bruto tendem a impactar na decisão de produção das usinas, se serão mais voltadas para o açúcar ou para o biocombustível etanol.

Também ainda permeiam o mercado os dados de avanço da safra 2023/24 do Centro-Sul apontados pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica) nesta semana referentes à primeira quinzena do mês de novembro.

A produção de açúcar na primeira metade de novembro totalizou 2,19 milhões de toneladas, segundo a entidade da indústria. Essa quantidade, quando comparada àquela registrada na safra 22/23 de 1,67 milhão de t, representa aumento de 32,09%.

Uma pesquisa de analistas realizada pela S&P Global Commodity Insights apontava moagem de 2,15 milhões de t para o período.

No financeiro, o mercado também sentiu pressão da alta do dólar sobre o real, que impacta diretamente nas exportações.

MERCADO INTERNO

O mercado brasileiro testa recuperação depois de quedas fortes ao longo do mês. No último dia de negociação, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar, cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista, ficou a R$ 155,20 a saca de 50 kg com valorização de 0,69%.

Nas regiões Norte e Nordeste, o açúcar ficou cotado a R$ 154,04 a saca - estável, segundo dados coletados pela consultoria Datagro. Já o açúcar VHP, em Santos (SP), tinha no último dia de apuração o preço FOB a US$ 28,12 c/lb com desvalorização de 0,77%.

» Clique e veja as cotações completas de sucroenergético

Já segue nosso Canal oficial no WhatsApp? Clique Aqui para receber em primeira mão as principais notícias do agronegócio

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário

    pinnacle Mapa do site